Tuesday, May 31, 2011

rachaduras do Nada no cárcere das coisas

"Nos instantes em que a bodichita [mente búdica, via de iluminação - itálicos by Unzuhause] é gerada,
Inclusive nos lamentáveis prisioneiros do cárcere do samsara [nível existencial mundano, oposto ao nada-nirvana, e marcado pelas ilusões e repetições sem diferença, como outro dia me alertava um sonho que tive acerca da "diferença e repetição" deleuziana]
Eles se tornam Bodissatvas - um 'filho ou filha de Buda' [mas que não se transformaram ainda em Buda, permanecendo ligados aos ciclos samsáricos,  por vontade própria, por compaixão à multidão dos seres sencientes necessitados ainda de apoio em suas sendas às cegas]-
E são dignos da veneração de humanos e deuses mundanos".
-Guia do Estilo de Vida do Bodissatva-

As matáforas (ato falho digital que deixo como está) desgastadas, a linguagem embotada, o cárcere do Sentido que já não faz mais sentido. As rachaduras como signo, faltas agressivas como o inconsciente, que é agressivo com a consciência que o agride -violência gerando violência. As rachaduras como frestas de um outro tempo possível, mas que exige também a mudança nos espaços, não a "espacialização" temida por Bergson -esta seria mera repetição sem diferença-, mas sim a poética do espaço, como quer o noturno bergsoniano Bachelard. Lembra-me agora que meu primeiro "furo" jornalístico foi justamente por conta das fendas da igreja concebida pelo gênio de Niemeyer na Pampulha (BH), templo maltratado pelo tempo, gênio mal cuidado pelos mortais aos quais ele se dignou servir. Isso foi no contexto de minha primeira  viagem de avião na vida. O furo, a fenda, o vôo, o tempo, o templo, a coragem de ser e de se deixar ser. Ontologia despojada da alma em fluxo, sem teorias explicativas, sem violências da sugestionabilidade, sem seduções forçadas do ego dom juan, san juan, à caça da deusa Anima que nos responde, quando caçada, e não comemorada, apenas com o bizarro, o aflitivo e o ridículo.
-Unzuhause-

 

Thursday, May 26, 2011

guerreiros de São Jorge

Nova camisa 3 oficial do Timão, com a estampa de São Jorge


Wednesday, May 25, 2011

o pimentão e a borboleta




Conta-se que certa vez um aluno levou ao seu mestre o seguinte hai-kai:
"Uma borboleta:
tiro-lhe as asas,
eis um pimentão!"
A resposta do professor foi imediata: "Não, não é assim, deixe-me corrigir seu poema:
Um pimentão:
dou-lhe asas,
eis uma borboleta!"
História recontada por Alejandro Jodorowski, para nos lembrar a diferença visceral -e diria eu, com Nietzsche, fisiológica- entre o sentimento poético subversivo e o ressentimento desvairado. É o que aparta em definitivo a explosão de sentido do criador que "sai atirando" como o ator surrealista de Breton e a corrosão do auto-coitado (no particípio do coito de que ninguém mais participa) que desforra as raivas como na catástrofe da escola do Realengo.
-Unzuhause-

Monday, May 23, 2011

o erudito puro


"A peruca é o símbolo bem escolhido do erudito puro enquanto tal. Ela orna sua cabeça com uma massa abundante de cabelos alheios, na falta dos próprios."
Arthur Schopenhauer

veneno do amor

"A sífilis estende seus efeitos muito além do que poderia parecer à primeira vista, uma vez que constitui uma doença não apenas física, mas também moral. A partir do momento em que a aljava de Amor também passou a conter setas envenenadas, um elemento estranho, hostil e até mesmo diabólico entrou no relacionamento recíproco dos sexos e, consequentemente, o transpassou com uma desconfiança obscura e temerosa".
Arthur Schopenhauer

Wednesday, May 11, 2011

romance de aprendizagem (ou: por que não se é o que se é com alegria?)

Amigos queridos me abordaram esses dias a respeito de alguns posts do blog, os que destoam da habitual "delicadeza" para carregar nas tintas do sarcasmo e até do "insulto", no sentido de Diógenes, o mestre cínico. Ele não tinha muita cerimônia e menos ainda saco quando percebia que "debates" intelectuais eram contaminados da humana, demasiado humana vontade de aparecer dos infelizes, dos impotentes da carne e parasitas da idéia. Idéia. Com acento mesmo, que tô me lixando pra esse atentado perpetrado contra nossa pátria-mátria língua portuguesa, recentemente, sob o nome de reforma ortográfica. Diógenes, retomando o fio da meada, despachou certa vez  um adversário falto de cabelos mas recompensado de um ressentimento cabeludo, socando-lhe a boa palavra: não vou discutir com uma mente tão imunda que até seus cabelos preferiram fugir dela num salto kamikase ao nada. Cabelos niilistas, dir-se-ia.
De humor instável e propenso à depressão, tenho na escrita uma das raras rotas de escape da miséria opressiva do mundo. Lou-à-Lacan comentou comigo de minha sem-cerimônia em falar, nesses textos e nos que escrevemos juntos, "do mundo", das pessoas, do humano em geral. E eu rebati: vício de filósofo. O mundo me invade, por que eu não invadiria o mundo? Filosofia como tropa de assalto, como guerrilha cultural, como maqui de resistência, como sonho sanguíneo de revolução.
Mas nem a escrita passa incólume quando pressinto a presença de um dos "carecas" de Diógenes (carecas em sentido ontológico, é óbvio) na platéia de meu show. Sigo o espetáculo por conseguir mentalizar as grandes almas que aqui me visitam, e com as quais de fato há possibilidade de eu interagir, mas quando, por dúvida hiperbólica, as afasto da cena, resta a miséria do basti-dor, e a miséria centuplicada da platéia dos carecas tristes. Medo de me tornar um deles, de eles serem eu amanhã.. Nestes instantes,  toda sublimação "espiritual" se resseca, e minhas pulsões de morte vêm à tona, ainda (que) pelas ferramentas sublimadas da palavra enquanto (graças a deus!) não me cruzam o caminho e não lhes dou um bom pedala-robinho presencial.
O alívio vem quando cessa o exercício pessimista de imaginar o mundo tomado por esses idiotas emboiolados, meu humor se umedece e brota feliz ao me certificar de que meus irmãos de alma estão próximos, e a eles volto a me dirigir com minhas confidências e invenções. Daí pois, a desigualdade dos afetos e linguagens que vigem na tessitura dos textos. Mas este vasto "romance de aprendizagem" que sou eu, e este eu virtual em especial (que eu não é virtual?) precisa, eu sei, conviver melhor, e com menos violência, aceitar a realidade trágica da presença do Mal. Para cada Mario Sérgio Cortella haverá muitos outros "colegas" na sombra, horrorosos, burros da produtividade, desprezíveis, e para cada Dom Paulo Evaristo Arns, haverá cardumes de bispos sardinhas nutridos de mediocridade atéia e assassina de Jesus (por isso o gosto deles de andar com cruzes). Para cada careca à la Gandhi, multidão de cabeças cheias de merda e calvas de cabelos kamikases.Para cada Michel Foucault, uma titia foucault do brasil.. E aqui estou eu de novo me rendendo ao inssublimável do gozo de odiar e desejar a morte não do "Mal" trágico constitutivo do mundo e de Deus, mas dos marvados, mal-viados que abastaradam até a beleza da opção sexual dissonante fazendo dela a raiva e vergonha íntima pela qual querem que a gente sofra o castigo de existir com eles. Não "invadem" o mundo como o filósofo, carnavalizam sem férias (não podem ter férias, morreriam, ai que bom seria!), e sem alegria, a fé e as fezes próprias na rua para provar que tudo cheira igual ao fétido casebre brocha em que vegetam.
-Unzuhause-

Tuesday, May 03, 2011

o ombudsman (daimon) de sócrates ou: sempre chega a hora cômecu-trágica


O instante de ruptura, o daimon cômecu-trágico, no clássico de domingo, onde o Timão despachou a Porca do Pudê

O meia Valdivia usou seu Twitter para dar uma notícia ruim para os torcedores palmeirenses. Após fazer exames, o chileno avisou que a lesão causada pelo seu “chute no vácuo” foi grave e que ele deve ficar um bom tempo longe dos gramados.
“Bom dia! Terminou o tratamento médico! A lesão é do jeito que eu imaginei, vou demorar para recuperar. A lesão vem sempre na hora errada”, disse Valdivia.
A reportagem do UOL Esporte entrou em contato com o médico Vinicius Martins, que acompanhou o exame da Valdivia na última segunda. Segundo o especialista, o meia rompeu o músculo posterior da coxa e terá de ficar pelo menos três semanas fora de combate.
O prazo estipulado é apenas para que a lesão cicatrize. Depois disso, Valdivia tem de passar pela fisioterapia e pelo recondicionamento físico para então voltar a atuar. Vinicius Martins preferiu não estipular um prazo para essa segunda fase da lesão, que pode ser de dez dias a até mais de um mês, dependendo da evolução do chileno.
O histórico de lesões de Valdivia é um fator preocupante e um dos responsáveis pela lesão. O problema que surgiu no último domingo, quando o camisa 10 tentou um "chute no vácuo" no clássico contra o Corinthians, aconteceu no mesmo local da fibrose que o tirou de parte do Campeonato Brasileiro do ano passado.
fonte: UOL

Monday, May 02, 2011

epígrafe niilista para a biografia clíniCUtrágica da titia foucault do brasil

“Quero porque quero minhas fitas de Astrud e Chet de volta, sua bicha broxa”, bem bruta e irracional repetindo o que seu analista, também exausto de tudo aquilo, dissera não especificamente sobre ele, mas sobre todos os homens do mundo: homossexual enrustido que não deu o cu até os trinta e cinco anos vira mau-caráter, minha filha".
Caio Fernando Abreu
"Simulacro da Imagerie"

reeleição garantida


fonte: UOL

O líder da rede terrorista Al Qaeda, Osama bin Laden, está morto e seu corpo foi resgatado por autoridades dos Estados Unidos. A informação foi confirmada pelo governo americano. Bin Laden morreu durante um ataque dos EUA a uma mansão nos arredores de Islamabad, capital do Paquistão, país vizinho ao Afeganistão.
O corpo do líder da Al Qaeda, Osama bin Laden, teria sido sepultado no mar após passar por rituais tradicionais islâmicos, afirma a imprensa americana. As redes CNN, MSNBC e Fox afirmaram que um oficial americano confirmou que o corpo de Bin Laden foi sepultado no mar, sem dar maiores detalhes. A AFP não conseguiu obter uma confirmação dessa informação junto a oficiais americanos.
O presidente dos EUA, Barack Obama, fez por volta da 0h30 desta segunda-feira (horário de Brasília), um pronunciamento anunciando oficialmente a morte do líder terrorista de origem saudita Osama bin Laden.
De acordo com Obama, o governo dos EUA havia obtido informações na semana passada sobre a localização de Bin Laden em um complexo na periferia de Islamabad, capital do Paquistão. “Na semana passada determinamos que tínhamos informação suficiente [para conduzir um ataque contra Bin Laden]. Na noite de hoje [domingo], um pequeno time de soldados americanos levou a cabo a operação. Após um tiroteio, esses soldados mataram Bin Laden e capturaram seu corpo. Nenhum americano foi ferido e houve cuidado para que nenhum civil fosse ferido durante a operação”, disse Obama no pronunciamento.
O maior atentado planejado por Bin Laden foi o ataque contra as Torres Gêmeas, em Nova York, no dia 11 de setembro de 2001. Na ocasião, dois aviões foram lançados contra os dois edifícios mais altos dos EUA, provocando a morte de cerca de 3.000 pessoas. O atentado fez com que os EUA, então liderados pelo presidente George W. Bush, lançassem uma ofensiva contra o Afeganistão, país que abrigava Bin Laden e vários integrantes de sua rede terrorista, a Al Qaeda.
Alegria
Enquanto Obama fazia seu pronunciamento em rede nacional, centenas de americanos comemoravam em frente à Casa Branca, na noite deste domingo [horário local]. Gritando o nome dos Estados Unidos, alguns manifestantes exibiam bandeiras americanas num ato espontâneo diante da sede da presidência para comemorar a morte do chefe da Al Qaeda. "Nunca senti tamanha emoção", declarou John Kelley, estudante de 19 anos. "É algo que nós esperávamos há muito tempo".
Mais procurado
Bin Laden era o primeiro na lista dos criminosos mais procurados pelas autoridades americanas. As forças americanas tentavam capturar o líder da Al-Qaeda há mais de dez anos, bem antes dos ataques de 11 de setembro de 2001, que mataram cerca de 3 mil pessoas no World Trade Center, em Nova York, e no Pentágono, em Washington.
Ele era acusado de comandar dezenas de outros atentados, incluindo as explosões em duas embaixadas americanas no Leste da África em 1998. De acordo com a rede de televisão americana CNN, Bin Laden foi morto em uma mansão nos arredores de Islamabad, no Paquistão.
Repercussão
Após o pronunciamento de Obama, duas importantes figuras políticas norte-americanas se manifestaram sobre a morte do terrorista mais procurado do mundo. George W. Bush, então presidente dos EUA quando aconteceu o ataque contras as Torres Gêmeas e o Pentágono em 11 de setembro, disse que a morte de Bin Laden representa “uma vitória para os Estados Unidos”.
Já o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, assegurou nesta segunda-feira que a morte de Osama bin Laden é uma "vitória muito importante" para os Estados Unidos e expressou sua esperança de que a notícia traga um pouco de alento para quem perdeu seus entes queridos nos ataques do dia 11 de setembro de 2001. Nova York foi a cidade onde os ataques mataram mais pessoas – foram cerca de 3.000 vítimas, no total.
"Após o 11 de setembro de 2001, demos nossa palavra como americanos que não nos deteríamos perante nada para capturar ou matar Osama bin Laden. Com a contribuição de milhões de pessoas, incluindo muitos que fizeram o máximo sacrifício por nossa nação, mantivemos essa palavra", disse Bloomberg.
O prefeito disse em comunicado que a morte de Osama bin Laden "não diminui o sofrimento sofrido pelos nova-iorquinos e pelos americanos, mas é uma vitória muito importante para nossa nação".
"Sua morte é uma homenagem aos milhões de homens e mulheres em nossas forças armadas e outros lugares que lutaram tão duro por nossa nação", assegurou.
*Com agências internacionais