Sunday, November 28, 2010

a voz da carne



"O objetivo do cristianismo foi o de nos libertar de nossa determinação natural (da determinação pela natureza), dos desejos e dos impulsos; com isso, pretendia-se que o homem não se deixasse determinar por seus desejos. Isso não significa que ele não possa ter desejos, mas sim que os desejos não devem tê-lo, que eles não devem se tornar fixos, indomáveis e indissolúveis. Ora, aquilo que o cristianismo (a religião) tramou contra os desejos não poderemos aplicar a seu próprio preceito segundo o qual o espírito (pensamento, representações, idéias, fé etc) que nos deve determinar? Não poderíamos exigir também que não fosse o espírito ou a representação a idéia a nos determinar, que eles não deveriam se tornar fixos e intocáveis ou 'sagrados'? Se assim fosse, estaria aberto o caminho para a dissolução do espírito, para a dissolução de todos os pensamentos ou representações. E tal como antes se dizia que podemos ter desejos, mas os desejos não nos devem ter, agora se diria: podemos ter espírito, mas o espírito não deve ter a nós. Quem não encontrar sentido nessa última proposição, que pense naquele para quem uma idéia se torna uma máxima, transformando-o em seu prisioneiro de tal modo que não é ele que tem a máxima, mas a máxima que o tem. E com a máxima ele tem de novo um 'ponto de vista estável'. As doutrinas do catecismo tornam-se, sem que percebamos, nossas regras fundamentais, e não é possível rejeitá-las depois. O pensamento que os anima -ou seja, o espírito- detém o poder exclusivo, e não dá ouvidos a nenhuma objeção da 'carne'. E, no entanto, é apenas por meio da 'carne' que eu posso quebrar a tirania do espírito, pois só quando se dá conta da voz da carne é que um ser humano se dá conta completamente de si, e só quando se dá conta completamente de si é que ele é um ser verdadeiramente perceptivo ou racional. O cristão não percebe a miséria de sua natureza amordaçada, todavia vive em 'humildade' , e é por isso que não resmunga contra a injúria feita à sua pessoa: sente-se satisfeito com a 'liberdade de espírito'. Mas se a carne se impõe e seu tom, como não pode deixar de ser, se torna 'apaixonado', 'indecoroso', 'incorreto', 'mal-intencionado'... ele julga ouvir vozes do diabo, vozes contra o espírito (porque a decência, a ausência de paixão, a correção etc são...o espírito), e insurge-se, compreensivelmente, contra elas. Se as quisesse tolerar, não seria cristão. Só dá ouvidos à moralidade e combate a imoralidade; só dá ouvidos à legalidade e amordaça a palavra sem lei. O espírito da moralidade e da legalidade é a sua prisão, um senhor que o domina de forma rígida e inflexível. A isso, eles chamam de o 'poder do espírito' –e é, ao mesmo tempo, o ponto de vista do espírito".



MAX STIRNER,

O Único e Sua Propriedade

Tuesday, November 23, 2010

Nelson explica..Bourdieu também!

Todas as minhas crenças estão em profunda crise devido ao poder iconoclasta incrível, impiedoso  e arrasador  dos En-VIADOS do verdadeiro Deus, do Deus além-Deus, apofático sombrio niilista..  Já não sei o que fazer, estou sem chão. E tudo em que acreditei antes das encíclicas infalíveis do papa-ilusão?... Ohhhhhhhh , deus meu Deus,  que será de mim.??? E meus últimos fiapos de idealismo natalino se incendeiam de vez agora que até Richarlyson..até tu precisas recalcar vossas "vergonhas" desse modo, discípulo de Bordieu? Um remake de "O Príncipe" de Maquiavel de auto-ajuda para alpinistas sociais assombra  como um espectro no mundo de-privado.. Richarlyson..  não, não, leiam por vós mesmos, amados, eu preciso de quarto escuro, aspirina, prozac  e cabeça debaixo de travesseiro.. para.. pensar em tudo isso OHHHHHHHHHHHHHHHH DEUS, MEU DEUS! OBRIGADO PELO GAFANHOTO-FILÓSOFO QUE MANDASTES AO MEU DESERTO TRAZER ESCLARECIMENTO E DESILUSÃO NIILISTA COM ESSE "MUNDIO" CRUEL!!!

22/11/2010 - 15h14


Árbitro relata na súmula que Richarlyson o xingou e o chamou de 'viado'

O árbitro Héber Roberto Lopes relatou na súmula o motivo de ter expulsado Richarlyson na partida entre São Paulo e Fluminense, domingo, em Barueri. Segundo o documento divulgado pela Confederação Brasileira de Futebol, o jogador proferiu xingamentos ao árbitro após cometer uma falta e ainda o chamou de veado ao deixar o campo.


“Após cometer uma falta contra seu adversário, o mesmo dirigiu-me as seguintes palavras. Seu filho da p... vai tomar no c.. Relato ainda que fui informado pelo quinto árbitro que quando o mesmo deixava o gramado proferiu as seguintes palavras: além de tudo, ele é viado”, diz a súmula da partida.


O procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) Paulo Schmidt disse que ainda não viu a súmula, mas confirmou que o atleta será julgado, procedimento que tem sido regrar com quem levou cartão vermelho no Campeonato Brasileiro.


O lateral pode ser enquadrado no artigo 243-F do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) que fala em ofensa. A pena varia de uma a seis partidas.


A ofensa homofóbica atinge um dos atletas que mais se envolve em polêmicas sobre preconceito no futebol nacional. Richarlyson afirmou algumas vezes ter sofrido preconceito.


Em campo, Richarlyson foi o jogador muito criticado e acusado de ter feito corpo mole e facilitado para o adversário. Ele chegou a ser alvo de piadas pelo seu desempenho no jogo de domingo.


Diante de uma atuação pífia no primeiro tempo, o lateral levou uma bronca de Fernandão. Ele ainda foi expulso aos 24 minutos do segundo tempo e deixou o São Paulo com nove em campo.

Monday, November 15, 2010

as coxas da mata-bloqueios

Logan Tom, show de bola do time de vôlei dos EUA, que no Mundial ficou em quarto (e pena que ela não ficou "no MEU" quarto, diria um tarado parceiro de boemia, amigo meu); na foto abaixo, ela fulmina o bloqueio


Como o "io voglio una donna" do tiozinho doido em cima da árvore em Amarcord de  Fellini, quem tem medo de virar a véia tiazona chata, a "solteirona casada" vindo encher o saco toda hora em seus pronunciamentos papais, que por leis de cotas em favor dos desfavorecidos da sorte  e da virilidade, e por questão de decoro da controvérsia democrática, a família se dá ao trabalho de deixar falar, como "o Filho do Homem não encontra o seu ninho para pousar a cabeça", como o horror que acomete meu Ego-Ira ante os  nadas gosmentos de pata e antena que nele tentam se encostar, graxosos, viscosos, esses carecas ontológicos imbecis que, sem teto capilar próprio, tentam irritar e dividir espaço na cidade arrastada, estrumes empilhados e dando saltinhos em dois pés, retardando e me forçando a repetições que estorvam o tempo do meu Ego-pressa como quem espera godot nas filas do metrô, como quem olha às gargalhadas o vôo da corva, quem é a corva, é o corvo feito de mulher, "linda esposa" do corvo abstrato, enquanto no céu de verdade quem voa é teu salto e cortada, o que me salta feito um raio nos bloqueios do sonho é você, Logan Tom, e tuas coxas que voltam ao chão com um tremorzinho, delirium tremens para meu  Ego-fome, larva incandescente corroendo couraças, fulminando os "bloqueios", desconstruindo os  andaimes, dando paulada e pontapés e tiro de escopeta nos arqui-velhos-tetos ascéticos dos sem-teto capilares que me ensinaram Ego-mentiras no clube do papa dos papa-garotinhos.

Tuesday, November 09, 2010

a catedral do coração humano





Festa da dedicação de uma catedral, festa da Igreja

Bem-aventurado John Henry Newman (1801-1890), presbítero, fundador de comunidade religiosa, teólogo

Uma catedral é fruto de um desejo momentâneo ou é algo que se pode realizar pela vontade? [...] Com toda a certeza, as igrejas que herdámos não resultam apenas da gestão de capitais, nem são uma pura criação do génio; são fruto do martírio, de grandes feitos e de sofrimentos. As suas fundações são muito profundas; elas assentam sobre a pregação dos apóstolos, sobre a confissão da fé dos santos, e sobre as primeiras conquistas do Evangelho no nosso país. Tudo o que é nobre na sua arquitectura, que cativa os olhos e chega ao coração, não é um puro resultado da imaginação dos homens, é um dom de Deus, é uma obra espiritual.
A cruz assenta sempre no risco e no sofrimento, é sempre regada com lágrimas e sangue. Em parte alguma cria raízes e dá fruto se a pregação não for acompanhada de renúncia. Os detentores do poder podem fazer um decreto, favorecer uma religião, mas não a podem estabelecer, podem apenas impô-la. Só a Igreja pode estabelecer a Igreja. Só os santos, os homens mortificados, os pregadores da rectidão, os confessores da verdade, podem criar uma verdadeira casa para a verdade.


É por isso que os templos de Deus são também os monumentos dos Seus santos. [...] A sua simplicidade, a sua grandeza, a sua solidez, a sua graça e a sua beleza não fazem senão recordar a paciência e a pureza, a coragem e a doçura, a caridade e a fé daqueles que não adoraram a Deus apenas nas montanhas e nos desertos; eles sofreram, mas não em vão, porque outros herdaram os frutos do seu sofrimento (cf Jo 4, 38). Efectivamente, a longo prazo, a sua palavra deu fruto; fez-se Igreja, esta catedral onde a Palavra vive desde há muito tempo. [...] Felizes os que entram nesta relação de comunhão com os santos do passado e com a Igreja universal. [...] Felizes os que, entrando nesta igreja, penetram de coração no céu.

Monday, November 08, 2010

espetacular II


Filósofo Vladimir Safatle estreia amanhã coluna semanal na Folha


Professor escreverá sobre política nacional e internacional e cultura

DE SÃO PAULO

O filósofo Vladimir Safatle, 37, estreia amanhã como colunista da Folha, na pág. A2. Professor livre docente do Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo, Safatle é especialista em epistemologia (teoria do conhecimento) da psicologia e filosofia da música.


Professor visitante das Universidades de Paris 7, Paris 8, Toulouse (França) e Louvain (Bélgica), Safatle é responsável por seminário no Collège International de Philosophie (Paris) e um dos coordenadores da International Society of Psychoanalysis and Philosophy.


Tem artigos publicados em periódicos de França, Reino Unido, Argentina, Japão e Espanha.


Durante a campanha eleitoral, escreveu uma coluna semanal às segundas-feiras nos cadernos Poder e Eleições 2010: "A coluna era muito focada no debate eleitoral. Agora eu gostaria de articular outros temas: política internacional, nacional e crítica da cultura".


O filósofo diz que pretende mostrar "como o pensamento de esquerda é capaz de sintetizar problemas novos e encontrar respostas inesperadas para os antigos". Para ele, a "discussão deve ser feita com a opinião pública, e não só na universidade".

Saturday, November 06, 2010

toquem o meu coração

RÁDIO PIRATA
Composição: RPM ( Luiz Schiavon/ Paulo Ricardo)

Abordar navios mercantes
Invadir, pilhar
Tomar o que é nosso
Pirataria nas ondas do rádio
Havia alguma coisa
Errada com o rei...

Preparar a nossa invasão
E fazer justiça
Com as próprias mãos
Dinamitar!
Um paiól de bobagens
E navegar o mar
Da tranqüilidade...

Toquem o meu coração
Façam a revolução
Que está no ar
Nas ondas do rádio
No submundo
Repousa o repúdio
E deve despertar...

Oh! Oh! Oh! Oh!
Oh! Oh! Oh! Oh!...

Disputar
Em cada freqüência
Espaço nosso
Nessa decadência...

Canções de guerra
Quem sabe canções do mar
Canções de amor
Ao que vai vingar...

Toquem o meu coração
Façam a revolução
Que está no ar
Nas ondas do rádio
No underground
Repousa o repúdio
E deve despertar

Oh! Oh!...
Oh! Oh! Oh! Oh!
Oh! Oh! Oh! Oh!
Oh! Oh! Oh! Oh!
Oh! Oh! Oh! Oh!...

Toquem o meu coração
Façam a revolução...(2x)