Monday, October 20, 2008

pesadelo e espetáculo


"Toda a vida das sociedades nas quais reinam as modernas condições de produção se apresenta como uma imensa acumulação de espetáculos. Tudo o que era vivido diretamente tornou-se uma representação."
GUY DEBORD
A Sociedade do Espetáculo (1967)
O pesadelo acontecido em Santo André na última semana, consumado na morte da jovem Eloá nas mãos de seu ex-namorado, depois de mais de cem horas de cativeiro transmitido como big brother em cadeia nacional, é retrato fiel da "sociedade do espetáculo" descrita por Guy Debord há mais de quarenta anos. Sociedade do espetáculo à brasileira, portanto imitação real, em versão de filme de terror, para lixos culturais como um programa Márcia ou Ratinho da vida (ou da morte..).
Muito haveria a ser dito sobre a incompetência da polícia, sobre a que ponto de miséria moral um ser humano (?) pode decair etc. Sobre a farsa de um suposto "amor" que, na verdade, acoberta a alma de bagaço de quem ousa se considerar dono do outro, de quem vê no outro uma parte narcísica de si, um jeito de fugir da própria fraqueza.
Mas particularmente me chocou -por mais difícil que seja a gente ainda se chocar com alguma coisa- o tratamento de pop star conferido ao marginal. Ele chegou a gritar, em algum momento, que era o "príncipe do gueto". Teve direito a entrevistas exclusivas, para três emissoras de televisão. Mandou e desmandou naqueles policiais atônitos, mais preocupados em zelar pela imagem do governador presidenciável do que em preservar vidas inocentes.
Pelo menos o vagabundo sobreviveu. Queria, pelo que se diz, ter se suicidado. Tenho minhas dúvidas, tamanha a covardia de sujeitos desse naipe. De todo modo, está aí, vivinho da silva, com tempo de sobra para, enjaulado, pensar (?) no que fez, até quem sabe para se arrepender. Sobretudo, pra cair no pior dos castigos da sociedade do espetáculo: o anonimato. Voltar à condição de zé-ninguém, apenas um assassino a mais, já usado e descartado pela indústria midiática da violência. Bagaço podre.
Só espero, contudo, que esse show de horrores não tenha um próximo capítulo, já tão conhecido de nós brasileiros: a impunidade típica desse país de pimentas neves, pimentas que ardem sem refresco no olho dessa cambada de carneiros perplexos ou semi-homens bestializados que ou dão audiência ou fazem a festa deste circo tétrico.

Saturday, October 11, 2008

auto-desajuda

-Mestre, viajei milhas e milhas no deserto, com uma garrafinha de água e um pedaço de pão, mas a pior fome e sede eram outras: de vossa sabedoria! És conhecido em meu povoado como um grande sábio. Embora pouco queiras aparecer, todos falam de ti, versões as mais contraditórias correm sobre teus ditos e feitos. Por favor, me ...
-Não.
-Por favor,apenas...
-Não.
-Mestre, é tudo o que mais quero, daria minha vida, todos os meus bens, comeria esterco de cavalo... mas preciso de ti!
-O que queres?
-Apenas isso: saber qual é o caminho da sabedoria.
-Quem disse que há a saber um caminho para a sabedoria?
-Não há caminho??!!
-Sim, há.
-E qual é?
-Posso dizer o meu: comer quando tenho fome, dormir quando estou cansado, trepar quando quero trepar.
--Mas... mas... desculpe venerável mestre, mas todos dizem fazer isso; então elas seguem o mesmo caminho que tu?
-Não é o mesmo caminho. Adeus!
-Espereee! Por que não?????!
-Quando comem, não comem, imaginam coisas. Quando dormem, não dormem, dão livre curso a mil pensamentos ociosos. Quando trepam, não trepam, não estão lá, não há relação sexual.
-Mestre, li isso num livro... quem foi que disse? segundo quem mesmo??
-Boa viagem de volta... de volta a ti mesmo, meu jovem.

Wednesday, October 08, 2008

des-cio sombrio do vazio




vazio agudo

ando meio

cheio de tudo


PAULO LEMINSKI
*******
des-cio
sombrio
do vazio
psiu!
-Unzuhause-


Minha carta de hoje no Tarô Zen, de Osho: simplicidade..

Friday, October 03, 2008

melô do inconsciente


Mosca na sopa
Raul Seixas
Composição: Raul Seixas
Eu sou a mosca
Que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca
Que pintou prá lhe abusar...(3x)
Eu sou a mosca
Que perturba o seu sono
Eu sou a mosca
No seu quarto a zumbizar...(2x)
E não adianta
Vir me detetizar
Pois nem o DDT
Pode assim me exterminar
Porque você mata uma
E vem outra em meu lugar...
Eu sou a mosca
Que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca
Que pintou prá lhe abusar...(2x)
-"Atenção, eu sou a mosca
A grande mosca
A mosca que perturba o seu sono
Eu sou a mosca no seu quarto
A zum-zum-zumbizar
Observando e abusando
Olha do outro lado agora
Eu tô sempre junto de você
Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura
Quem, quem é?
A mosca, meu irmão!
"Eu sou a mosca
Que posou em sua sopa
Eu sou a mosca
Que pintou prá lhe abusar...(2x)
E não adianta
Vir me detetizar
Pois nem o DDT
Pode assim me exterminar
Porque você mata uma
E vem outra em meu lugar...
Eu sou a mosca
Que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca
Que pintou prá lhe abusar...(2x)
Eu sou a mosca
Que perturba o seu sono
Eu sou a mosca
No seu quarto a zumbizar...(2x)
Mas eu sou a mosca
Que pousou em sua sopa
Eu sou a mosca
Que pintou prá lhe abusar...